História de Vida Desportiva

MÓNICA PAULA FELÍCIO ROSA BARRADAS, nasceu na  freguesia de S. Pedro e Santiago, em Torres Vedras, em 5 de Maio de 1978.
Passou a sua infância e grande parte da adolescência nos locais de Salgados e Paz, na região de Mafra, passando a residir na Vila de Mafra já em plena adolescência.

Iniciou-se no Atletismo em provas de festas populares, ainda criança, levada por um dos seus avôs. Logo aí se começou a destacar não só pelas inúmeras vitórias, mas pela forma destemida como se batia na competição.

Aos nove anos, de idade, participando numa competição organizada pelos Amigos do Atletismo de Mafra, no dia 25 de Abril de 1988, foi convidada pelo seu treinador, de sempre, para iniciar o treino naquele clube, onde se manteve até à época de 1997/98.

Numa fase inicial o treino não foi levado muito a sério. As ausências sistemáticas ao treino levaram a que não tivesse grande destaque em provas do escalão de infantis, apenas nas competições escolares continuava a demonstrar um grande potencial. É a partir do escalão de iniciada, incentivada por um seu professor de educação física, que se empenha mais no treino e começa a destacar-se em provas da Associação de Atletismo de Lisboa, sendo campeã distrital no Corta-Mato e na pista.

No segundo ano de juvenil chega pela primeira vez a um pódio em competições Nacionais, é segunda no Torneio Olímpico/Jovem Nacional e repete a classificação no Campeonato Nacional do escalão, em ambos os casos nos 1500M.

No segundo ano de Júnior é pela primeira vez campeã nacional, tanto no Corta-Mato como na pista, em 3000M. É, então, internacional pela primeira vez, primeiro no Campeonato do Mundo de Corta-Mato, onde, na prova de Juniores, foi 45ª classificada, depois foi 7ª nos 3000M do Campeonato da Europa de Juniores e, finalmente Vice-Campeã da Europa de Juniores, de Corta-Mato, quando em 1997, o Campeonato da Europa de Corta-Mato, se disputou em Oeiras, nos terrenos do Estádio Nacional. Em 1998 é, pela primeira vez Campeã Nacional de sub-23 em 5000M.

Em Outubro de 1998 transfere-se para o Maratona Clube da Maia, que acaba por desaparecer e transfere as suas atletas para o Maratona Clube de Portugal. Inicia, então, uma carreira profissional.
Logo em Fevereiro de 1999 é a atleta do Maratona melhor classificada na Taça dos Clubes Campeões Europeus de Corta-Mato, em Março é 8ª classificada no Campeonato Nacional de Corta-Mato e Campeã Nacional de sub-23, sendo seleccionada para o Campeonato do Mundo de Corta-Mato, em Belfast, como sénior, classifica-se em 43ª e fecha a equipa que é Medalha de Bronze. Em Julho do mesmo ano é 4ª classificada nos 5000M do Campeonato da Europa de Sub-23.  

Inicia a nova época de 1999/2000 com uma gravíssima lesão, quatro meses de paragem, que também foi o começo de um largo conjunto de lesões e problemas de saúde cujo calvário a leva próximo de terminar precocemente a carreira. Ainda assim, em Março de 2000, na mesma época volta a ser 8ª classificada no Campeonato Nacional de Corta-Mato e ainda Campeã Nacional de Sub-23 de Corta-Mato, o que lhe permitiu mais uma selecção para o Campeonato do Mundo de Corta-Mato, que decorre em Vilamoura e, onde é 41ª.

2000, 2001, 2002, 2003 e 2004 são anos de grandes resultados tanto no Corta-Mato como na pista, é 6ª Classificada, no Campeonato da Europa de Corta-Mato, por duas vezes, em 2000 e em 2004, vence o Crosse de Torres Vedras, em 2001, na altura uma prova fortíssima, vence o Crosse Itálica, em Sevilha, tido como o melhor crosse do mundo, é 3ª classificada no Challenge Europeu de 10000M, em estreia na distância, participa nos 5000M do Campeonato do Mundo de 2001, em Edmonton e nos 10000M do Campeonato da Europa de 2002, em Munique, é seleccionada para a Taça da Europa em 2001, onde corre 3000M e sobe ao pódio em diversos crosses em Espanha. Tudo isto com uma paragem de três meses para debelar uma tendinite no Tendão de Aquiles.

Na fase inicial de 2005 mantém-se a onda de sucesso, é 2ª classificada no Campeonato Nacional de Corta-Mato e, a 19 de Março, no Campeonato do Mundo de Corta-Mato, em Saint-Etiéne, França, obtém o 24º lugar e, contribui para nova medalha de bronze para a selecção nacional.

Em Junho de 2005 está num estágio na Serra Nevada, quando tem um gravíssimo problema de saúde que a leva de urgência, para a sala de operações, um vaso sanguíneo no ovário que “rebentou” provocando uma hemorragia interna. A perda de sangue consequência da hemorragia a que se seguiram dez dias de internamento no Hospital Universitário de Granada, sem comer colocaram-na num estado de enorme debilidade física. Aí, o seu enorme espírito de luta vem à superfície e quatro meses depois da operação estava a correr 20Km no Campeonato Nacional de Estrada, onde se classifica em 4º lugar. O retorno ao treino de forma precoce, bem como alguns problemas de saúde que até ali não tinham sido notórios teve consequências nefastas, entra num ciclo de lesões que se arrasta por longo tempo, culminando com uma fractura de esforço que a obriga a parar durante cinco meses, já no Verão de 2008, quando tentava obter mínimos para participação nos Jogos Olímpicos de Pequim. No decorrer desse período, quando conseguiu uma janela de tempo suficientemente larga, para treinar, ainda alcança alguns sucessos, como o 2º lugar no Campeonato Nacional de Corta-Mato, correndo só com um sapato, dado que ficou descalça ao fim de 500m de prova, em Março de 2007 e, a vitória no Crosse de Oeiras em 2007.

O ano de 2010 é o da grande viragem na carreira, opta pela estreia na maratona, estreia-se em Abril, em Paris com o 8º lugar, 2H37’09” é a marca alcançada, algo prejudicada por alguns percalços. Em Setembro solicita ao Maratona Clube de Portugal que a liberte e passa a individual.
  • PATROCINADORES
  • apoios
Copyright © 2010 Mónica Rosa | Powered by BlueSoft Design by Blue Line